BUTOH

Com Ana Medeiros (RS) e Hiroshi Nishiyama (Japão)
Quartas, das 17h30 às 19h
Aulas realizadas pelo app Zoom Cloud Meeting
São trabalhados nas aulas os princípios do Butoh de Yoshito Ohno, bailarino e filho de Kazuo Ohno. Para Ohno, Butoh é dançar a existência e estar em contato direto com o mundo a nossa volta: as violências, as tragédias. Dançar Butoh é também encontrar a humanidade naquele que dança, “se revelando como uma flor, como a natureza e seus ciclos”. No Butoh de Yoshito Ohno se encontra o silêncio e se percebe o corpo criando e trazendo lugares e memórias à tona — se faz muito menos externamente. Os pés encontrando o chão marcam o tempo e trilham histórias milenares, no contato de cada partícula de pele com cada milímetro de solo.

Categoria:

R$150,00

Com Ana Medeiros (RS) e Hiroshi Nishiyama (Japão)

Quartas, das 17h30 às 19h

Aulas realizadas pelo app Zoom Cloud Meeting

São trabalhados nas aulas os princípios do Butoh de Yoshito Ohno, bailarino e filho de Kazuo Ohno. Para Ohno, Butoh é dançar a existência e estar em contato direto com o mundo a nossa volta: as violências, as tragédias. Dançar Butoh é também encontrar a humanidade naquele que dança, “se revelando como uma flor, como a natureza e seus ciclos”. No Butoh de Yoshito Ohno se encontra o silêncio e se percebe o corpo criando e trazendo lugares e memórias à tona — se faz muito menos externamente. Os pés encontrando o chão marcam o tempo e trilham histórias milenares, no contato de cada partícula de pele com cada milímetro de solo.

A bailarina e coreógrafa gaúcha Ana Medeiros movimentou o cenário cultural de Porto Alegre ao trazer para a capital gaúcha toda a sua experiência com o butoh, dança vanguardista japonesa criada na década de 1950 por Kazuo Ohno e Tatsumi Hijikata. Pioneira no ensino da modalidade, Ana ocupou espaços públicos com intervenções artísticas, promoveu workshops e apresentações em célebres pontos culturais como o Instituto Ling e vem promovendo aulas regulares na Casa Cultural Tony Petzhold. Retornando de sua quarta imersão no Japão com o mestre Yoshito Ohno, a bailarina agora abre espaço em sua agenda para ministrar aulas de butoh.

 

Para Ana Medeiros, dançar Butoh é dançar a interioridade da alma. “Nessa dança, não existe o virtuosismo físico de grandes passos, nem a velocidade estonteante de um corpo a se mover no espaço. Ao contrário: no Butoh, o virtuosismo dele se dá na metamorfose destes estados e nas transições internas que o dançarino experimenta transpondo seu corpo”, define a bailarina, que, ao longo de sua trajetória, também morou 23 anos em Nova York se especializando em dança moderna na Martha Graham School of Contemporary Dance e já apresentou suas coreografias em países como França, Holanda e Japão. Nas aulas, ela apresenta toda a sua vivência com o butoh e a cultura japonesa.

Sobre Hiroshi Nishiyama:

É natural de Osaka. Em 1990, a pedido de Kazuo Ohno, se muda para Yokohama onde vem  a estudar Butoh com Kazuo e Yoshito Ohno. Por 25 anos é aluno de Kazuo Ohno, e hoje continua a frequentar o Kazuo Ohno Dance Studio e participar das aulas de Yoshito Ohno. Atualmente atua em  vários projetos de Butoh em Tokyo e Yokohama. Em 2015 dança com Yoshito Ohno no SHINANO Primitive Sense Art Festival em Nagano.

Em 2016 é convidado para vir a Porto Alegre e dançar no espetáculo Caminhos Pelos Quais, de Ana Medeiros, que teve estreia no Instituto Líng. No início de 2017 retorna à cidade para se apresentar e ministrar workshops durante a Semana Butoh na Casa Cultural Tony Petzhold juntamente com Ana. Durante 2018 viaja pelo Brasil com Ana Medeiros ministrando intensivos de Butoh, e trabalhando na criação do novo espetáculo A Música Não Tocada.