Sobre o Grupo MEME

MEME Grupo de Pesquisa do Movimento nasceu de uma oficina montagem ministrada por Paulo Guimarães no projeto Movimentos Incessantes – Porto Alegre Cidade Que Dança, realizado em 2004 pela Secretaria Municipal da Cultura/Prefeitura de Porto Alegre. O resultado desta oficina foi a transformação de prédios do Campus Central da UFRGS em palco para espetáculo cênico que envolvia bailarinos, atores, músicos e artistas plásticos.

Desde então tem desenvolvido intensas atividades, incluindo a abertura de um espaço próprio: Meme Centro de Pesquisa do Movimento, que veio suprir a necessidade de um espaço em tempo integral, onde fosse possível a experimentação e o desenvolvimento de processos de criação do grupo. O Centro já se firmou como um espaço onde a dança convida outras linguagens artísticas promovendo o intercâmbio, a experimentação e o diálogo de processos híbridos de criação artística.

Em abril 2010, o grupo passou a atura em sede própria, o MEME Santo de Casa Estação Cultural – um charmoso sobrado da rua Lopo Gonçalves, no bairro Cidade Baixa em Porto Alegre/RS. Neste espaço são realizadas as criações e montagens artísticas do grupo, além da promoção de encontros com diversos artistas nacionais e internacionais. Já estiveram na casa Olga Roriz/Portugal, Dudude Hermann/MG, Márcia Strazzacappa/SP, Berê Fuhro Souto/RS, Valéria Franco/SP, o gaúcho radicado em Belo Horizonte – Peter Lavratti, entre outros nomes da dança.

Mas quando se trata do Meme, importante ressaltar a importância do diálogo de processos híbridos de criação artística que o grupo explora em sua pesquisa. Deborah Finocchiaro/RS, Cia. de Teatro Nú/GO, Simon Nabatov/Rússia, Leylah-Claire Rabih/Alemanha, Marisa Rotenberg/RS, Arthur Barbosa/CE, Dalga Larrondo/SP, Eny Such/RS, Niúra Borges/RS, Margareth Leyser/RS… são exemplos, entre tantos outros artistas, que acompanham e são colaboradores direta ou indiretamente dos processos de criação artística do Meme.

Prêmios e Circuitos Culturais

Prêmio Açorianos 2005 com espetáculo BU! Um olhar adulto sobre a criança que há em nós – nas categorias:
Melhor Espetáculo de dança
Melhor Produção
Melhor trilha sonora
Melhor iluminação

indicações Prêmio Açorianos 2006 com espetáculo Despidas por seus celibatários – nas categorias:
Melhor produção
Melhor cenografia

Prêmio Condança 2005
Melhor projeto de pesquisa – Anjos 40

Prêmio Procultura/Funarte 2011
Arrumando a casa 2006
Fumproarte 2004
Fumproarte 2006
Circuito Cultural Banco do Brasil 2007
Goiânia em Cena 2006
Lâmpada Mágica Cida Produções/AESul 2007
Oficinas da Paz Cida Produções/UNESCO 2007
Bolsa de Pesquisa em Charlesville, França